Artigo

Matéria

A Importância da Reciclagem

A importância da reciclagem

O Brasil joga 5,8 bilhões de reais por ano no lixo. A constatação feita pelo economista Sabetai Calderon é estarrecedora já que corresponde a 17 vezes o orçamento destinado ao Ministério do Meio Ambiente. Para o engenheiro químico e administrador, Gerhard Erich Boehme, consultor da Boehme Brasil Consulting, este é o resultado de uma incipiente política de educação ambiental, que faz com que grande parte da população trate com descaso a cultura dos 3R: reduzir, reutilizar e reciclar.

Atualmente, as organizações mais competitivas estão focadas nos resultados, acreditam que somente resultados positivos e crescentes permitem a continuidade e a expansão dos negócios. A prática tem-se mostrado como a única saída às organizações e isso ocorre pelo fato de que, se assim não procederem, fatalmente irão quebrar e deixar de contribuir para com o seu principal papel de responsabilidade social: que é o de gerar empregos, além de atender ao mercado com seus bens e serviços. É a única saída viável, principalmente em um país em que as organizações e toda a sociedade são alvo do excesso de tributação, que há tempos ultrapassou a esfera do racional e suportável.

Neste cenário, de busca incessante de lucros, a liderança em produtividade e a eficiência operacional – resultantes do foco na gestão, controle de risco e disciplina financeira – devem ser, portanto, objetivos fundamentais. Na busca de excelência, são aplicadas ferramentas que visam alavancar estes resultados. Infelizmente, fruto talvez de miopia administrativa, muitas organizações abandonam ou mesmo não implementam ferramentas que criam a base necessária para o sucesso, muitas destas ferramentas são simples, fáceis de serem implantadas e implementadas e o mais importante, rapidamente produzem os resultados positivos. Entre elas citamos o Programa 8S, a cultura dos 3R, a Fabricação Mais Limpa e a Integração de aspectos ambientais no projeto e desenvolvimento do produto. 

Um Programa 8S deveria ter abrangência nacional, principalmente ser aplicado nas diversas entidades públicas, onde as práticas de gestão são praticamente desconhecidas e pouco empregadas.

Infelizmente adotar práticas de gestão não é o forte da administração pública, basta ver a realidade dos diversos municípios brasileiros, apenas cerca de 5% deles possuem a sua Agenda 21 e apenas pouco mais de 1% efetivamente implementada. Os nossos representantes, no legislativo, executivo e mesmo no judiciário, dificilmente estarão sensibilizados com os problemas da sociedade brasileira. Estão mais voltados a defender seus interesses pessoais, quando não adotam práticas usuais como clientelismo e o nepotismo, tão presente na administração pública brasileira.

No caso da adoção da cultura dos 3R, as medidas recicláveis geram não apenas vantagens para a economia, mas grandes ganhos na qualidade ambiental, que têm reflexos em toda a sociedade.

Eis alguns exemplos:

Cada tonelada de papel reciclado representa 3 m³ de espaço disponível nos aterros sanitários. A energia economizada com a reciclagem de uma única garrafa de vidro é suficiente para manter acesa uma lâmpada de 100 W durante quatro horas.

Com a reciclagem de uma lata de alumínio economiza-se o suficiente para manter ligado um aparelho de televisão durante 3 horas.

1 tonelada de papel reciclado significa economia de três eucaliptos e 32 pinus, árvores usadas na produção de celulose.

Na fabricação de 1 tonelada de papel reciclado são necessários apenas 2 mil litros de água, ao passo que no processo tradicional esse volume pode chegar a 100 mil litros por tonelada. O Brasil só recicla cerca de 30% de seu consumo de papel. O vidro é 100% reciclável e o Brasil só recicla cerca de 14,2% do vidro que produz e consome.

Fica a pergunta: Qual a justificativa para não se investir nestas e outras práticas básicas de gestão?

Se fizermos uma pesquisa com a população, perguntando o que vem a ser 3R, seguramente a maioria não saberá responder. Resultado de um processo de educação ambiental incipiente ou não eficaz.

A cultura dos 3R:

• Reduzir — consumir menos é fundamental. Hoje, o Brasil produz 88 milhões de toneladas de lixo por ano, cerca de 440 quilos por habitante;

• Reutilizar — é impossível reduzir a zero a geração de resíduos. Mas muito do que jogamos fora deveria ser mais bem reaproveitado. Potes e vasilhames de vidro e caixas de papelão podem ser úteis em casa ou nas indústrias de reciclagem. E o destino dos resíduos orgânicos como restos de comida, cascas e folhas, tem de ser a compostagem;

• Reciclar — o "erre" mais conhecido é sinônimo de economia de matérias-primas. Vidro, papel, plástico e metal representam, em média, 50% do lixo que vai para os aterros. Além disso, a reciclagem pode virar dinheiro. O economista Sabetai Calderoni, do Núcleo de Políticas Estratégicas da USP e autor do livro Os Bilhões Perdidos no Lixo, calcula em 5,8 bilhões de reais por ano o total que o Brasil deixa de arrecadar com materiais recicláveis. Uma fortuna equivalente a dezessete vezes o orçamento do Ministério do Meio Ambiente.

Princípios

a) Reduzir - a produção do lixo;

b) Reutilizar - os materiais (sempre que possível);

c) Reciclar - o que não pode ser reduzido nem reutilizado.

Como Reduzir?

Produzir menos resíduos.

As empresas podem fazê-lo através da fabricação de embalagens com menos peso, com menor dispêndio de energia e de recursos naturais, com menores dimensões ou evitando o desperdício. Inverter a prática questionável das organizações venderem cada vez produtos com menor conteúdo. Ex.: Em 2003 a Nestlé deixou de vender seu achocolatado de 500g, colocando no mercado o Nescau de 400g.

Fatos como esses acontecem com freqüência, com toda a passividade natural dos consumidores brasileiros, que passaram a condição obrigatória de adquirirem mais embalagens. Prática condenável e infelizmente aceita pelas autoridades brasileiras.

Os consumidores devem ter comportamentos verdes:

  • evitar comprar rolos alumínio e de plástico;
  • evitar uso louça de papel e/ou de plástico;
  • evitar sacos desnecessários de plástico e/ou papel (prefira os de pano);
  • espalme ou amasse as embalagens para se conseguir, redução significativa do volume de resíduos;
  • Evita consumir o desnecessário;
  • Use toalhas e guardanapos de pano, em lugar das de papel;
  • Enfim, ... , rejeitar sempre tudo o que for de usar uma vez só;
  • Não usar aditivos para as máquinas da roupa e louça. Cada detergente já é composto de vários elementos, contendo já o descalcificador, amaciadores, branqueador, etc;
  • Quando for às compras leve o seu saco de casa resistente, que volte a usar;
  • Escolha as embalagens para as quais exista um circuito organizado de reciclagem;
  • Compre apenas os medicamentos necessários;
  • Na sua casa de banho, diga não a produtos descartáveis, com alternativas duráveis. Ex: barbeadores elétricos;
  • Ensine os seus filhos a resistirem ao efeito da moda, usando a roupa até ao fim;
  • Em vez de canetas de ponta de feltro, compre lápis de cor ou de cera, para os seus filhos, que são usados integralmente. O que é a qualidade ambiente?

Porquê Reutilizar?

Significa dar novos usos, a materiais já utilizados, voltando a usá-los. Incentive as empresas a produzirem embalagens que tenham uma segunda destinação. Ex.: Copo de requeijão. Falta criatividade à indústria de embalagens.

Como podemos reutilizar?

  • utilizar o verso das folhas de papel escritas só de um lado, para cadernos e agendas.
  • frascos vazios de vidro ou plástico e as latas podem servir para guardar canetas, material de costura, materiais ferramentas, cereais, ou para decoração.
  • roupa e objetos domésticos, como móveis, eletrodomésticos e brinquedos podem ser entregues a Instituições de Caridade ou vendidos como objetos usados.
  • Entregue em Centros de Convivência ou de Melhor Idade, Hospitais e Escolas, revistas ou livros que irá descartar.

Como Reciclar?

  • Para ser mais eficiente a reciclagem, os resíduos não podem estar misturados, nem sujos;
  • do papel deve-se retirar os grampos, fitas adesivas, plásticos e outros;
  • das embalagens de vidro, plástico ou metal deve-se retirar os rótulos, tampas, gargalos ou rolhas, e lavá- las;
  • deve espalmar-se as embalagens (compactar);
  • Se tem jardim ou horta, aprenda a fazer “composto” (corretivo do solo) com os restos da matéria orgânica.


 

Fonte: Gerhard Erich Boehme

<< voltar

[ home | empresa | projetos | treinamento | comunicação | pedidos ]
EcoSigma®
EcoSigma – Soluções Integradas em Gestão de Meio Ambiente Ltda.